segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Referências (breve reflexão dedicada a Sylvia Plath)




Todo mundo precisa de um modelo. Um norte indispensável que oriente, que faça com que se siga em frente, que nos avise dos perigos, que torne nossas escolhas certas e, de fato, indubitáveis. Que transforme crenças idealizadas nas únicas soluções reais para o cotidiano. Uma referência que tanto sirva de bússola quanto de mapa, trajetória e definição de um caminho a ser seguido.

O problema é quando as referências escolhidas começam a confundir mais que indicar um rumo qualquer.
É nesse ponto que me perco. É aqui que as perguntas e os porquês surgem desordenados na minha cabeça. Por que preciso de direção? E como cheguei a estas escolhas? 

"Droga, qual é o problema comigo?", ela pergunta, por fim.

E eu também.

2 comentários:

  1. Benvinda ao clube. Lamento informar que a piscina está fechada. Abs, DRR

    ResponderExcluir
  2. Eu estou confusa. As minhas referências deixaram de ser norte. Pra direita ou pra esquerda?

    ResponderExcluir